media_files/images/blog/2021/11/fale_conosco_2.png
media_files/images/blog/2021/11/fale_conosco_2.png

Conheça o nosso toolkit e crie um desafio

A Enap sistematizou metodologias e ferramentas que vão guiar agentes públicos na criação dos seus próprios desafios.

O conteúdo deste post foi adaptado do livro Inovação Aberta na Prática, escrito por Bruno Martins RizardiTomaz Vicente Santos, que será lançado em breve pela GNOVA/Enap, como parte da coleção Inovação na Prática. Confira os títulos já disponíveis clicando aqui

 

É importante ressaltar que o modelo utilizado foi sistematizado na ENAP e não corresponde à única forma de aplicar desafios públicos de inovação aberta. Existem diversos outros modelos em governos estaduais e municipais no Brasil e no mundo, e esta é apenas uma forma de ver e fazer. Dito isso, a jornada usual de um desafio na plataforma acontece em 3 fases e 7 etapas, que serão apresentadas a seguir.

Acesse o nosso Toolkit - versão beta para testar o guia e as ferramentas.

Se você atua no governo e quer acessar nosso ambiente 2.0 desenvolvido para você, por favor, clique aqui.

Confira a apresentação da iniciativa que ocorrou no dia 11/11, no Palco Meteoro Pitch, na Semana de Inovação 2021.

WhatsApp Image 2021 11 03 at 17.59.17

1ª Fase - Preparação

Etapa 01: Preparando o terreno

Qual o objetivo?
Selecionar um problema público com potencial de ser resolvido por desafios de inovação aberta.

Quem se envolve nesta etapa?
Time do projeto

E qual é o resultado esperado desta etapa?
Um plano de trabalho que leve em conta o problema, as etapas e os responsáveis para o desenvolvimento do projeto. 

Etapa 02: Mapeando problemas

Qual o objetivo?
Redesenhar o problema, transformando-o em um desafio tangível e concreto.

Quem se envolve nesta etapa?
Time do projeto
Especialistas no tema
Usuários
Outros interessados

E qual é o resultado esperado desta etapa?
Um único problema bem definido, com insumos e informações suficientes para desenhar a competição.

Etapa 03: Desenhando a competição

Qual o objetivo?
Definir o tipo de solução, o perfil dos participantes, se há propriedade intelectual, os critérios de avaliação e as fases da competição para a criação do edital.

Quem se envolve nesta etapa?
Time do projeto

E qual é o resultado esperado desta etapa?
Competição desenhada, perfil dos participantes definido e edital produzido.

2ª Fase - Lançamento

Etapa 04: Lançando o desafio

Qual o objetivo?
Dar visibilidade, mobilizar e engajar as pessoas em torno do desafio lançado.

Quem se envolve nesta etapa?
Time do projeto
Participantes inscritos

E qual é o resultado esperado desta etapa?

Engajamento e conversão dos perfis de participantes mapeados, para que submetam suas propostas de soluções inovadoras. 

3ª Fase - Premiação

Etapa 05: Avaliando propostas

Qual o objetivo?
Formar a banca avaliadora e julgar as propostas de soluções inovadoras, de acordo com as regras do edital.

Quem se envolve nesta etapa?
Time do projeto
Banca (pesquisador, especialista, tomador de decisão etc.)

E qual é o resultado esperado desta etapa?
Seleção das melhores propostas, que vão desenvolver as soluções para o problema apresentado. 

Etapa 06: Reconhecendo as conquistas

Qual o objetivo?
Celebrar os resultados e premiar os vencedores de diferentes formas: aprendizagem, reconhecimento financeiro, visibilidade ou networking.

Quem se envolve nesta etapa?
Time do projeto
Convidados especiais para o evento
Participantes vencedores

E qual é o resultado esperado desta etapa?
Cerimônia de premiação realizada e prêmios entregues aos participantes. 

Etapa 07: Evoluindo o desafio

Qual o objetivo?
Concluir o projeto, cuidando da gestão do conhecimento produzido, da avaliação dos resultados e dos encaminhamentos para o desenvolvimento da solução proposta.

Quem se envolve nesta etapa?
Time do projeto

E qual é o resultado esperado desta etapa?
Registrar e avaliar a experiência para prestar contas, extrair aprendizados e abrir caminho para novas oportunidades.

 

Um dos principais diferenciais do processo de inovação aberta em relação aos processos tradicionais de contratação pública é a sua característica iterativa e circular, em contraste à linearidade com a qual o setor público está acostumado.

Na inovação aberta, é necessário pensar de forma holística, conectando as peças do quebra-cabeça do começo ao fim, numa lógica que amarra todos os pontos de forma complementar.

Isso significa que, ao desenvolver um desafio de inovação aberta, é necessário se fazer uma reflexão completa do processo antes de lançar, pois as etapas se impactam. Caso contrário, uma decisão tomada, por exemplo, na etapa 6 (reconhecendo as conquistas) pode afetar as decisões feitas ao longo da etapa 3 (desenhando a competição) no que diz respeito a quem seriam os proponentes de soluções para o desafio de inovação aberta.

Para ilustrar, imagine um concurso com premiação de valor alto. O prêmio maior pode atrair participantes mais sêniores, sendo assim possível exigir a apresentação de propostas mais robustas pelos proponentes. Porém, exigir propostas mais robustas pode limitar a participação de juniores, que poderiam trazer ideias mais irreverentes, por exemplo.

Todo o planejamento e preparação do desafio deve ser coerente e amarrado para que todas as etapas fluam para o mesmo caminho.